0 produtos   –   0,00 €

Carrinho de Compras ×

Não existem produtos no carrinho


Utilização de bolas Ben Wa ou vaginais

Escrito em 07 de Set. de 2015


O que é Ben Wa?

Em toda a região da Índia os exercícios para a musculatura do assoalho pélvico (MAP) são, há milênios, transmitidos de mãe para filha, como uma foma de fazer a mulher mais feliz consigo mesma, além de melhor esposa e mãe. Isso porque esses exercícios, praticados de maneira regular, melhoram a gestação , o parto e ainda potencializam extraordinariamente o desempenho sexual.

Foi lá que surgiu o ben wa, um dispositivo interessante no auxílio da identificação da MAP, bem como no treino de força e coodenação motora desta musculatura. Este pequeno aparelho é formado por duas ou mais esferas (normalmtente com cerca de 5 cm de diâmetro), ligadas uma-a-outra por um cordão flexível. Elas devem ser inseridas e expulsas da vagina a partir de movimentos que trabalham a MAP e os abdominais.

Os movimentos aprendidos e aperfeiçoados com o ben wa eram utilizados inicialmente pelas mulheres tailandesas na prática do pompoarismo, uma série de exercícios desenvolvidos para potencializar o desempenho sexual da mulher. Hoje o ben wa atravessou as fronteiras daquele país, popularizando-se mundialmente e sendo conhecido como as bolinhas tailandesas.

É importante lembrar que o treino com o ben wa é voltado especificamente para o ganho decoordenação motora, não sendo seu foco principal o ganho de força. Mesmo assim, como todo treino de coordenação, ele acaba invariavelmente incrementanto em alguns graus a força muscular. Para quem busca especificamente graus maiores de força, o instrumento melhor indicado seria o cone vaginal.

Para que serve?

O treinamento com o ben wa exige uma dissociação bastante clara das contrações da MAP e da musculatura abdominal. Por este motivo, ele é bastante eficaz no treinamento de mulheres que não conseguem separar as duas contrações, ou seja, que contraem simultaneamente abdominais e assoalho pélvico, ou que contraem os abdominais ao invés de contrair a MAP.

Em cada etapa dos exercícios, a mulher deve contrair apenas a MAP, ou então apenas os abdominais. Desta forma, o ben wa proporciona um treinamento de coordenação motora incrível, fazendo a mulher aprender a diferenciar de forma realmente eficaz a ação destes dois grupos musculares tão distintos.

Quais as vantagens de treinar a MAP com o Ben Wa?

Utilizados de maneira correta, o ben wa permite algum fortalecimento da MAP, além de melhorarem a propriocepção local (sensibilidade vaginal e percepção da contração e relaxamento da MAP). Mas sua ação principal é a melhoria na coordenação motora da MAP.

Melhorar força e propriocepção são úteis tanto para melhorar a sustetação dos órgãos pélvicosquanto na preparação para o parto. Mas melhorar a coordenação motora e a força da MAP normalmente significa uma melhoria interessante no desempenho sexual da mulher.

Sexualmente, aumentar a força de contração da MAP significa, na prática, melhorar o poder de "contração da vagina" ao redor do pênis, melhorando a sensibilidade tanto da mulher quanto do parceiro no momento do ato sexual.

Já aumentar propriocepção e coordenação motora da MAP significa permitir que a mulher "contraia a vagina" conscientemente (para quem não sabe contrair), ou melhorar a qualidade desta contração (torná-la mais intensa ou permitir tipos diferentes - rápida, lenta, alternada, etc).

Como funciona?

Existem dois treinos específicos com o ben wa, uma para cada finalidade:

1. Propriocepção (capacidade de perceber a MAP contraindo e relaxado): 
Treino do Ben Wa Contínuo.

2. Coordenação motora (capacidade de saber contrair e relaxar a MAP e os abdominais): 
Treino do Ben Wa Dinâmico.

Ben Wa Contínuo

O treino com Ben Wa Contínuo, é voltado à melhoria da propriocepção, ou a auto percepção/sensibilidade da MAP. É considerado um treinamento funcional, pois alia contrações musculares à atividades de vida diária.

Para realizá-lo basta introduzir as duas bolinhas do ben wa no canal vaginal, e após seguir com as atividades diárias normais (caminhar, lavar a louça, tomar banho, etc). A vibração causada pelas bolinhas de chumbo que existem dentro das bolinhas plásticas do ben wa irá ativar a MAP: a cada movimento das bolinhas a MAP faz uma mini contração, insuficiente para estressar a musculatura, mas suficiente para deixá-la mais acordada.

Deve-se evitar atividades de impacto (corrida, saltos) e de peso (musculação, carregamento de objetos pesados, etc).

Ben Wa Dinâmico

O treinamente do Ben Wa Dinâmico, voltado à coordenação motora, é realizado em duas etapas distintas: introdução e expulsão. A primeira etapa exige fundamentalmente a contração da MAP e relaxamento dos abdominais. Já a última etapa exige uma contração dosada dos abdominais e relaxamento da MAP.

 

1ª Etapa: INTRODUÇÃO
Contração da MAP

A primeira bolinha do ben wa deve ser inserida na vagina, logo acima da linha da MAP. Em seguida a mulher deve contrair sua MAP até sentir a bolinha subindo pela vagina, aproximando a segunda bolinha da entrada do canal. Esta segunda bolinha deve ser introduzida com o mínimo possível de ajuda dos dedos: tentando ao máximo utilizar a força de contração da MAP. Deve-se prosseguir da mesma forma, até que todas as bolinhas estejam totalmente introduzidas.

Contrair fortemente os abdominais para dentro (encolhendo o umbigo, como se faz para tentar fechar o zíper de uma calça muito apertada) é um movimento importante no auxílio da subida das bolinhas.

O abdomem não pode "inflar" durante a contração. Sempre encolha a barriga na contração de abdominais, nunca estufe-a. A contração errada dos abdominais é prejudicial ao assoalho pélvico.

Este movimento, especialmente o dos abdominais, exige uma certa dose de força e coordenação motora, o que pode gerar algum insucesso de início, principalmente para as mulheres que não saibam contrair eficazmente esta musculatura, inclusive a MAP. Porém, não é motivo para desistir. Afinal, em mais algumas contrações a mulher certamente conseguirá introduzir as bolinhas com sucesso. É como praticar um novo esporte: nunca se aprende na primeira tentativa.

Caso a mulher não consiga "sugar" as bolinhas, pode estar sendo realizado um tipo inapropriado de contração. Deve-se então alternar sucessivamente diferentes tipos de contração da MAP (mais fortes, mais rápidas, alternadas...) até que seja encontrado o tipo certo de contração que vai "puxar" o as bolinhas para dentro da vagina. Caprichar ao máximo na contração dos abdominais também é fundamental.

O insucesso do exercício pode ser causado por falta de força ou falta de coordenação motora da MAP, e por este motivo a mulher deve procurar um fisioterapeuta especialista. Não saber contrair a MAP pode precipitar difunções do assoalho pélvico, como incontinências, prolapsos e disfunções sexuais.

2ª Etapa: EXPULSÃO

Contração da Abdominais

Com todas as bolinhas previamente dentro da vagina, deve-se então relaxar os MAP, e realizar uma suave contração abdominal, concentrando-se para "empurrar" as bolinhas para fora da vagina (numa força semelhante a realizada para urinar ou evacuar). Deve-se expulsar as bolinhas uma-a-uma, em movimento rítmicos. Esta etapa é muito mais fácil que a anterior. Os abdominais não devem ser contraídos.

Preferencialmente não deve haver nenhuma ajuda externa nos exercícios com o ben wa, a não ser a contração da MAP e dos abdominais (ou seja, não se deve ajudar com as mãos). Porém, caso exista alguma dificuldade em alguma das duas etapas, a mulher pode auxiliar a entrada ou a saída das bolinhas empurrando ou puxando suavemente a bolinha ou o cordão do ben wa com os dedos, cuidando para que esta ajuda seja a mínima possível, afinal, é a musculatura abdominal e do assoalho pélvico que devem estar sendo treinados.